“Perdoa”; “O pouco que sobrou” – Los Hermanos

Postado por: em out 19, 2013 | 40 Comentários

Manda essa cavalaria! A fé abandonou um certo sujeito, e ele resolveu pedir ajuda a Deus. Não é que ele deixou (quase) tudo registrado num disco?!

Queridos leitores, todos os dias passamos aqui para fazer uma pergunta: existe alguma expressão de espiritualidade na música popular brasileira, ou essas expressões estão confinadas ao canto litúrgico das religiões? Pegamos uma centena de canções da famosa lista que a revista Rolling Stone fez em 2007; a lista dos 100 maiores discos da música brasileira. Esses discos foram sistematicamente ouvidos e  catalogados pela pesquisadora, socióloga e mestranda em ciências sociais, Sarah Ferreira de Toledo, a pedido do Nossa Brasilidade. Uma pequena parte do nosso repertório mundano agora pode ser visto a partir de outras janelas. Mesmo que seja uma pequena fresta dentro do edifício de certas composições, é possível ver.

Seguindo o passeio, vamos assistir a banda Los Hermanos com uma canção de Marcelo Camelo, “O pouco que sobrou”. Ela é a faixa 10 do terceiro disco da banda carioca, lançado em 2003. A obra feita em primeira pessoa, pode ser lida como uma confissão de identidade, mas quem sabe seja possível ver nessa letra uma oração a um certo Deus que não sabemos quem é – o autor não descreve quem Ele é. No entanto, esse Deus parece ser capaz de enviar uma cavalaria afim de fazer voltar a fé que  abandonou o sujeito desencantado. Então, voltem os olhos para Los Hermanos e tomem nota. 

O Pouco que Sobrou

De: Marcelo Camelo

Intérprete: Los Hermanos

Disco: Ventura

Gravadora: BMG

Ano: 2003

Eu cansei de ser assim

Não posso mais levar

Se tudo é tão ruim

por onde eu devo ir?

A vida vai seguir

Ninguém vai reparar

Aqui neste lugar

eu acho que acabou

Mas eu vou cantar pra não cair

fingindo ser alguém

que vive assim de bem

Eu não sei por onde foi

Só resta eu me entregar

Cansei de procurar

o pouco que sobrou

Eu tinha algum amor

Eu era bem melhor

Mas tudo deu um nó

e a vida se perdeu

Se existe Deus em agonia

manda essa cavalaria

que hoje a fé me abandonou

 

O leitor Matheus Santana enviou nesta madrugada uma primeira versão da canção acima. Os Hermanos deixaram (quase) tudo registrado no disco. Quase… Eu não conhecia a história dessa música e me impressionou o fato de que o “rascunho” certamente tem mais fogo poético, mais sangue circulando que a versão disponibilizada no álbum Ventura. Uma linda oração que não se perdeu e que podemos ouvir aqui graças ao Santana. “O Pouco que Sobrou” antes se chamava “Perdoa”. Ouçam e vejam se não estou certo sobre dois aspectos; (a) a autocensura do artista pode diminuir a força original de sua expressão b) “perdoa” é mais impressionante que “o pouco que sobrou” por que o lirismo não tentou tapar aquilo que da alma se sente vazar.

 

Perdoa (O Pouco que Sobrou)

De: Marcelo Camelo

Intérprete: Los Hermanos

Disco: Ventura (pré-produção)

Gravadora:

Ano: 2002 (?)

Deus, por onde você foi?
Cansei de procurar.
Não posso mais ficar
com o pouco que sobrou,
carrego o seu amor
até não conseguir,
mas hoje eu me senti
dobrando devagar,
tentei chorar por seu perdão
mas não ouvi sinal,
será que isso é normal?
Deus, proteja o filho teu.
Não deixa o mal ganhar.
Por onde se escondeu
enquanto o céu caiu?
e a chave não abriu
e a estrada se acabou
e a ponte não passou
pra lá desse lugar.
Eu vou tentar
por mais um dia.
Manda essa cavalaria
que hoje a fé me abandonou…

 

 

40 Comentários

  1. Matheus Santana
    19 de outubro de 2013

    É interessante ressaltar que a versão pré-produzida dessa musica tinha a letra bem mais direta.

    http://www.youtube.com/watch?v=xSatLEq4tXQ
    http://letras.mus.br/los-hermanos/779458/

    Eu vejo como uma suplica de falta de fé, afinal, na versão rascunho ele estava orando a Deus por falta de fé, como um teísta e na versão final ele fala “Se existe Deus” como um agnóstico. Paradoxalmente no cd 4 ele já canta “Sereno é quem tem, a paz, de estar em paz com Deus”, a espiritualidade dele deve ser bem frágil, tanto que anos depois na carreira solo ele já canta “E lá vai Deus sem sequer saber de nós, saibamos pois, estamos sós”.

    Bem, está é minha opinião, mas não entendo muito da vida dele ou coisa parecida.

    Abraços.

    Reply
    • Lucas Martins
      19 de outubro de 2013

      E depois tem “É Deus, parece que vai ser nós dois até o final”

      Reply
      • Matheus Santana
        19 de outubro de 2013

        Bem lembrado… A fé dele é bem abalada.

        Reply
  2. Leonardo Galdino
    19 de outubro de 2013

    Olá, Marcos!

    Apesar de ser muito fã do Los Hermanos eu não conhecia essa outra versão de “O pouco que sobrou”. Mas veja lá a confissão deísta de Camelo em “Passeando”, do primeiro disco solo dele, “Sou”.

    “E lá vai Deus sem sequer saber de nós/ saibamos, pois, estamos sós”.

    Uma pena!

    Abraços e continue a investigação.

    Reply
  3. Amanda Tintino
    19 de outubro de 2013

    Nunca tinha prestado atenção sobre a letra da música e agora vejo que tanto em ambas versões, demonstram um sujeito realmente na sua fase de lutas em busca de Deus para uma ajuda…
    Assim, como o Matheus citou uns trechos acima, tem outras canções que ele expressa também a relação com Deus como na canção “Liberdade” que está incluída num cd solo dele. Pela letra de “Liberdade” interpreto como aceitação a sua relação com Deus. Bom, não sou tão expert pra interpretar canções. Mas, deixo aí uma sugestão para ser analisada.

    Reply
  4. Marcio Ribeiro
    19 de outubro de 2013

    O Calvani tem o livro “Teologia e MPB” …

    Reply
  5. Levy Hercules
    19 de outubro de 2013

    Só uma coisa pra dizer pra vocês. Parabéns! Irei ficar acompanhando o vosso trabalho. Abraço

    Reply
  6. Gustavo Faria
    19 de outubro de 2013

    Nos extras do DVD Cine Íris, no filme mostrando o Making Of do Disco, mostra essa versão e o nome original da música…

    Reply
  7. Gustavo Faria
    19 de outubro de 2013

    E a música O Vencedor também tem uma história interessante, nesse prisma. Vale uma olhada hein…

    Reply
  8. Julio Xavier
    19 de outubro de 2013

    Paz e graça, marcos depois de uma de joao gilberto agora los isso e bom de mais vamos achar alguma coisa em cartola? O tim maia tem o “RACIONAL”.

    Reply
    • Marcos Almeida
      19 de outubro de 2013

      CALMA que vai chegar a vez deles! rsrs

      Reply
      • Gabriel Tarrão
        6 de dezembro de 2013

        Marcos, aguardo ansiosamente pela música do Cartola. Tenho meus palpites! Rs.

        Reply
        • Marcos Almeida
          6 de dezembro de 2013

          Ei Gabriel, toquei no assunto da “Preciso me encontrar’ aqui: http://nossabrasilidade.com.br/candeiamanobrowneuevoce/ Você está pensando em qual?

          Reply
          • Jonathas Barros
            6 de dezembro de 2013

            Marcos Almeida, particularmente eu acho “O mundo é um moinho” do Cartola, uma forma de aconselhamento a uma mulher, de forma semelhante a “minha menina”. Abraço.

          • Jonathas Barros
            6 de dezembro de 2013

            Pra quem não conhece vale a pena.

            http://letras.mus.br/cartola/392191/

  9. jonatas gomes
    19 de outubro de 2013

    curto muito los hermanos, camelo.. amarante desde longa data… e realmente… nessa letra existe um ser fraquejado q necessita e ora até implora o favor de Deus… daí meu questionamento: porque essa mudança?? porque esta auto censura??? seria pra nao perder a sua máxima como compositor em nao falar claramente de assuntos q envolvem questoes sacras>>?? questoes teocentrícas??

    att
    jonatas gomes

    Reply
  10. Hebreu
    20 de outubro de 2013

    Muito lindo ler tudo isso!

    Reply
  11. Julio Xavier
    20 de outubro de 2013

    Kkkkkk que massa vamos descortinar a aquarela do Brasil valeu rsr

    Reply
  12. Raphaela
    20 de outubro de 2013

    Na música Morena, lançada no quarto álbum da banda, Camelo escreve que “Sereno é quem tem a paz de estar em par com Deus.”

    Reply
  13. Alana Freitas
    20 de outubro de 2013

    Eu já tinha interpretado essa letra, e sabia no que dava ao certo, e a primeira nunca tinha lido. Mas enfim, na primeira versão ele ateou o lado poético direto dele pra fora, e na segunda versão foi mais uma indireta de algum músico, mas pessoalmente, eu prefiro a segunda, pois eu acho que um poeta é isso, tem que deixar duvidas nas pessoas, tem que deixar sua poesia trancada e exposta. E já a primeira ele jogou muito de cara. Por fim, essa é a minha opinião.

    Reply
  14. Alana Freitas
    21 de outubro de 2013

    Muito bacana. 🙂

    Reply
  15. Rafaela Silva Flor
    21 de outubro de 2013

    Estou encantada *——* ! Esses post’s estão vicianteeeee… Quero ler todos hahaha.
    Ótimo trabalho Marcos e Sarah, que Deus continue vos abençoando.

    Reply
  16. Jorginho Nina
    22 de outubro de 2013

    Lendo o inicio do texto eu ja pensava em sugerir a versão ‘rascunho” dessa música como o Santana rs. O engraçado é que andei ouvindo muito essa versão nos ultimos dias, à ponto de aprender a toca-la e pensar em fazer um video e ainda escrever algo sobre ela. Agora encontro esse artigo. Seria uma confirmação rs? O..o
    Um abraço forte Marcos.

    Reply
  17. Carolina Rosinelli
    27 de outubro de 2013

    Muito legal Marcos!

    Existe uma outra música dos Los Hermanos (composição do Marcelo Camelo) também que vale a pena dar uma checada.

    Chama-se: De onde vem a calma? (Pelo que eu me lembre também é do cd Ventura)

    Para mim ele fala de Jesus Cristo. O tal cara pra mim é Jesus. Bem legal analisar essa canção. Fica aí mais uma dica para esse trabalho que tu estas fazendo. Muito bom mesmo. Descobri hoje e amei de verdade.

    God bless us!
    Beijos

    Reply
    • Fábio Cavalcante
      6 de dezembro de 2013

      Existe até um vídeo no YouTube dessa canção com trechos do filme “Paixão de Cristo” (Mel Gibson).

      Reply
  18. Hugo L. Ribeiro
    6 de dezembro de 2013

    Los hermanos é muito bom, cheio de detalhes de espiritualidade e da fragilidade do ser humano.
    Quando Deus criou o homem fez questão de colocar um desejo por espiritualidade, um desejo por uma proximidade com àquele onde tudo se deu início.
    Parabéns pelo trabalho, vc representa uma voz que a muito eu sentia falta….
    Cristianismo puro e simples

    Reply
  19. Mateus Silva
    6 de dezembro de 2013

    Uma ponto bem interessante a respeito dos LH é que as composições de Camelo e Amarante possuem perfis bem diferentes. É nítido saber quem escreveu a música só ouvindo…

    Reply
  20. Sergio
    6 de dezembro de 2013

    Na primeira música vemos o autor como alguém sem direção, imaginando que tudo se acabou e que lhe resta apenas fingir que está bem. É alguém que se encontra cansado à ponto de desistir de procurar por Deus e por sua própria identidade. Ele confessa que antes desta crise ele era melhor, quando diz: “Eu tinha algum amor”. Por fim, ele clama a Deus por ajuda, pedindo proteção e força com o envio de “Cavalos e seus cavaleiros” dos céus.
    Já na segunda letra o autor se sente abandonado por Deus, mas, em momento algum duvida de Sua existência, antes demonstra sua fraqueza e falta de fé, o que é natural do ser humano. Até Jesus no momento crucial exclamou o abandono do Pai celestial, embora por razão muito mais sublime. Ele se diz filho de Deus e clama pela ajuda do Bem. A situação estava periclitante, mas, mesmo assim ele iria tentar, com ajuda de Deus. Enfim, ambas as letras são um pedido de socorro divino.

    Reply
  21. Thiago Ferrer
    6 de dezembro de 2013

    Confesso que essa é a primeira vez que leio o seu blog e já estou viciado… Esse “trem” é “baum” demais!! Parabéns pelo excelente trabalho…
    Deus abençoe
    Abraço

    Reply
  22. Leveny Carvajal
    6 de dezembro de 2013

    Acho que devemos entender que não dá pra se “julgar” ou caracterizar uma opinião ou fé de um artista pelo que ele escreve em suas músicas.
    No gospel(como alguns gostam de falar) isso PODE ocorrer, mas não necessariamente.

    Reply
  23. Thaynara Luzo
    6 de dezembro de 2013

    Los Hermanos é uma das minha bandas preferidas, sempre consigo ver a fé expressada nas canções deles…

    Isso me faz lembrar uma conversa que tive com uma grande amigo, Edson Jr, estávamos analisando “Quando o sol bater na janela do teu quarto” – Legião Urbana.
    Interpretando o sol da canção como Deus, vemos que Ele é a esperança de um mundo melhor,
    “A humanidade é desumana, Mas ainda temos chance, O sol nasce pra todos, Só não sabe quem não quer.”

    As entrelhinhas do amor de Deus na expressividade musical sempre será linda de qualquer forma.

    “Quando o sol bater
    Na janela do teu quarto,
    Lembra e vê
    Que o caminho é um só…”

    Adorei o blog.
    Abraços.

    Reply
  24. Emanuelle
    6 de dezembro de 2013

    Uau.. que postagem!

    Reply
  25. Isaque Oliveira
    6 de dezembro de 2013

    Muito massa!

    Reply
  26. Edson Freitas
    6 de dezembro de 2013

    Leonardo Galdino citou uma música do CD solo do Marcelo Camelo, no qual conheço a pouco tempo, e lembrei de uma outra canção em que também há uma confissão deista do compositor, chamada “Liberdade”.
    Nesta há uma oração, se posso assim dizer, que mais me chamou atenção:

    “Eh, Deus,
    Parece que vai ser nós dois
    Até o final
    Eu vou ver o jogo se realizar
    De um lugar seguro”

    É a certeza de segurança em um evento futuro…

    Me parece que a cavalaria solicitada chegou e a fé retornou.

    Parabéns pelo blog, Marcos.
    Boa noite e fique na Paz.

    Reply
  27. Joelson Miller
    23 de dezembro de 2013

    Como a Carolina falou, a música “De onde vem a calma”, da banda Los Hermanos, parece se encaixar nessa lista que você está preparando. Acho que o tal “cara” é na verdade Jesus. A letra começa com comentários de um “descrente” a respeito de Jesus, e depois a pessoa muda, passando agora para o cara (Jesus), e assim ele começa a falar sobre os seus tormentos na hora da morte. Acho que esse texto explica melhor o que quero dizer:
    http://www.juvemetodista.com.br/2012/04/de-onde-vem-calma.html

    Reply
  28. Jorginho
    12 de março de 2014

    Marcão. Entrevista interessantíssima com o Rodrigo Amarante sobre o seu novo trabalho, Cavalo. Penso que caberia muito bem no assunto Espiritualidade/Mpb. Dá uma olhada. https://www.youtube.com/watch?v=WG2kw17QjhA

    Reply
  29. Laio Araújo
    30 de maio de 2014

    Eu creio que a música “De Onde Vem a Calma” do Los deixa clara a posição da banda em relação às suas crenças cristãs. Ou pelo menos deixam a entender que acreditam que Jesus realmente veio ao mundo e viveu como homem; Já que a música mostra os possíveis pensamentos e idéias que as pessoas tinham a respeito dEle. Sem falar nos trechos finais, que dizem:

    “Eu não vou mudar não.
    Eu vou ficar são, mesmo se for só.
    Não vou ceder
    Deus vai dar aval,sim.
    O mal vai ter fim.
    E no final,assim calado, eu sei, que vou ser coroado rei de mim.”

    Ou seja, mostra que também acreditam que Jesus sofreu sozinho ( “Não vão embora daqui” ,”Não solta da minha mão” ,”…Mesmo se for só.” ), sem pecado ( “Eu não vou mudar,não. Eu vou ficar são…”), encarou a morte e a dor sem reclamar ( “Não vou ceder”, “E no final, assim calado…”) e que Ele morreu com um objetivo ( “O mal vai ter fim. E no final,assim calado, eu sei, que vou ser coroado rei de mim.” ).

    Foram,sem dúvida, usadas bases bíblicas e cristãs para os versos finais (e não só esses) dessa música que fala tão claramente sobre Jesus. :))

    Reply
  30. Tércia Paula - PE
    10 de julho de 2014

    Amando cada dia mais conhecer a nossa Brasilidade! beijo Marquinhos.. vc é super pra cima!

    Reply
  31. Referências cristãs na música secular | Som do Peregrino
    24 de agosto de 2014

    […] uma vida sem fé e sem amor. Marcus Almeida do blog Nossa Brasilidade  destrinchou essa música neste post, mas você pode conferir também no vídeo […]

    Reply
  32. mateus rodrigues
    9 de outubro de 2014

    Eu já vou um pouco a quem na música de onde vem a calma do los, eu acho que o Marcelo camelo fez um alto retrato de si mesmo e do seus sentimentos em alguma época da sua vida. um cara calmo e tranquilo, muito introspectivo que reflete muito sobre o mundo que o cerca “e o mundo que anda hostil”que se encontra muitas vezes solitario pela sua grande sensibilidade e reflexao diante da vida acabando por se sentir estranho é e diferente das pessoas alienadas, mas que pauta suas escolhas querendo ser bom, que no fundo sabe que está fazendo a coisa certa e que por mais solitario que fique as vezes “não solta da minha mão”não vai mudar pq no fundo sabe que será coroado rei de si mesmo com isso. E Deus sabe de suas boas intenções e por mais que outra pessoa não reconheça a o conflito internos vivido por ele deus sabe e dara o aval pra tudo dar certo

    Reply

Deixe um comentário