Eu li Nejar

Postado por: em abr 14, 2015 | 3 Comentários

Na estréia do solo “Eu Sarau”, eu li Nejar.  Mas, antes tive o cuidado de apresentar o poeta para a platéia – numa rápida pesquisa, percebi que quase todos não o conheciam. Acho que curtiram muito; inclusive o episódio do meu encontro com ele no aeroporto, o início de uma amizade.

Um rapaz teceu elogios sinceros ao poeta no bate papo pós-show. Foi tão marcante a leitura da poesia “Ver o vento cair” que resolvi incluí-la na trilha sonora do filme que registra a minha volta aos palcos.

Como diz o Ivan Teixeira: “Nejar modela a poesia de maneira a produzir o efeito da beleza que raciocina.” Acho que é assim: não é só o símbolo, não são apenas imagens, é o que acontece nas entrelinhas dos seus versos.

Viva Nejar!

VER O VENTO CAIR

Espero ver o vento cair.
Espero ver o vento caindo.
Caído de vento, espero
ver caindo.
Mesmo que não, continuarei
amando, sorrindo, morrendo.
Continuarei fitando
a branca pupila de chama
do amanhecer, continuarei vendo
o tombar das doutrinas, guerras,
medos. Ou de quanto
é extravagante o futuro.

E o vento cairá,
ainda que eu não veja,
cairá como um relincho
o céu. Cairá o céu
na cabeça das ervas,
cairá, cairá:
e gozarei
toda a primavera
no verão
do teu corpo.

Espero ver o vento cair
sem terror algum
e deitarei, para que
me acompanhe.
Deitarei o vento.
E o mundo voltará p
para a infância.

Quando o vento cair,
eu começarei
misteriosamente
a subir.

(Carlos Nejar)

3 Comentários

  1. Carlos Eduardo Junior
    15 de abril de 2015

    Não conhecia Carlos Nejar, passei a conhecer agora e é tão bom encontrar poemas que vão de encontro com a beleza do dia a dia, a simplicidade trás uma grandeza. Encontro Deus na simplicidade.

    Reply
  2. Patrese Renan
    17 de agosto de 2015

    Confesso que quando leu este poema aqui em Fortaleza-CE não o compreendi de imediato Marcos A., mais ao lê-lo novamente aqui o entendi, simples e lindo. Obrigado por nos apresentar tão grande poeta!

    Reply
  3. Carla Coelho
    25 de novembro de 2015

    “Não existem coincidências no Espírito.”

    Reply

Deixe um comentário