Jorge de Lima / Tempo e eternidade

Postado por: em mar 24, 2012 | 1 comentário

 

Alta noite, quando escreveis um poema qualquer

sem sentirdes o que escreveis,

olhai vossa mão – que vossa mão não vos pertence mais;

olhai como parece uma asa que viesse de longe.

Olhai a luz que de momento a momento

sai entre os seu dedos recursos.

Olhai a Grande Mão que sobre ela se abate

e a faz deslizar sobre o papel estreito […]

 

Esse é o inventor que desejava redimir a poesia em Cristo. Acabamos de ler Jorge de Lima. Daqui a pouco eu volto.