Eu li Nejar

Eu li Nejar

Na estréia do solo “Eu Sarau”, eu li Nejar.  Mas, antes tive o cuidado de apresentar o poeta para a platéia – numa rápida pesquisa, percebi que quase todos não o conheciam. Acho que curtiram muito; inclusive o episódio do meu encontro com ele no aeroporto, o início de uma amizade. Um rapaz teceu elogios sinceros ao poeta no […]

Rascunho de uma Genealogia

Postado por em maio 18, 2014 | 26 Comentários

O que, onde e como penso a minha relação com a cultura brasileira.

 

O multifacetado povo cristão que habita nas terras continentais do Brasil é constituído por incontáveis grupos religiosos – estimados em 20 grandes denominações e diversas outras placas diluídas entre os pentecostais. No momento, parece predominar as correntes teológicas reformada (calvinista e arminiana), da prosperidade (especialmente entre os neopentecostais) e a teologia da missão integral, além, é claro, da teologia católica romana e sua versão popular. Cada um desses grupos tem uma forma de se relacionar com a esfera das artes, com seu próprio acervo de obras litúrgicas, de propaganda e de entretenimento.

Em 2004 comecei a viajar como músico remunerado pelo Brasil a fora. Eu e outros amigos formávamos a banda de apoio da cantora evangélica Heloísa Rosa. Enquanto me esforçava para ser um mediano tecladista, estava sem saber, ampliando meus horizontes espirituais a medida que conhecia diferentes comunidades de fé reunidas em diferentes igrejas, de todos os tamanhos e tipos, espalhados pelo país. Logo percebi que cada um desses grupos não era um mundo em si mesmo. De uma forma ou de outra estavam na cidade vivendo suas vidas e convivendo entre crentes e descrentes, numa sociedade plural onde cerca de 90% dos cidadãos se dizem cristãos. Fui gradualmente me aproximando da tradição reformada calvinista e encontrei nela as categorias para explicar minhas inclinações intramundanas, proféticas e não panfletárias.

Quando criamos a banda Palavrantiga no final de 2007, lançando nosso primeiro trabalho em Junho de 2008, eu já estava – nesse tempo – bem mais íntimo do pensamento neo-calvinista holandês. Tendo sido apresentado a ele pelos amigos Rodolfo Amorim e Guilherme de Carvalho. É nesse momento que fica mais patente a vocação para a cultura – entendendo a nossa comunidade de fé local como ponto de partida para uma arte brasileira tecida na Esperança. Encontrava o chão de uma tradição cristã milenar, mas ainda não sabia como traduzir isso para o português cantado nas ruas. Os holandeses eram legais mas não falavam da realidade do meu povo. Descobri uma mata virgem, fechada, difícil, insegura, perigosa. No entanto, tive certeza que deveria entrar, abrir caminho, me reencontrar por inteiro com a cultura popular depois de anos caminhando entre teólogos e pastores, nos templos em companhia de liturgistas e avivalistas.

Antes disso, havia reconhecido a necessidade de superarmos o dualismo gospel/secular, como é entendido nessas terras. Isso me ajudou a construir novas categorias de pensamento para relacionar fé cristã e cultura brasileira. Encontrei na linguagem poética uma porta de acesso entre espiritualidade e beleza. Descobri Adélia Prado numa revista de avião dizendo que arte e religião são braços de um mesmo rio. Rubem Alves chegou pra me conduzir à Guimarães Rosa, Kazantzákis, Nietzsche, Hermann Hesse… e àquelas suas próprias e boas palavras de mineiro. Então, anos depois ao ler Schaeffer, Dooyweerd e Rookmaaker, o que fiz foi categorizar o anteriormente lido, cantado, viajado e vivenciado pela minha alma.

O conceito arte brasileira de raiz cristã emergiu desse reencontro entre um cristão reformado e o repertório popular experimentado desde o berço familiar, que agora ganhava novo interesse a medida que eu descobria as confissões e as analogias tão próximas das narrativas bíblicas. Púlpito e palco continuavam bem distintos, o que mudava era a distância. Templo e rua permaneciam diferentes enquanto deixavam de ser opostos. A mensagem que saia do altar da minha igreja encontrava uma relação simbólica com as maneiras de cantar o cotidiano da vida.

Tentei copiar o antropólogo e linguista Don Richardson naquele percurso narrado em o Totem da Paz, dividido em três partes: “O mundo dos Sawis”, “Dois Mundos se Encontram” e “Um mundo transformado”. Mas vi que não podia fazer isso. Esbarrei num problema: a cultura brasileira não se mostra como um mundo isolado do Evangelho, nem mesmo o Evangelho foi confinado em templos nesses 500 anos de presença cristã nas terras tupiniquins. Diferente dos Sawis de 1962 que nunca haviam visto um homem branco e sua religião cristã, os brasileiros dos anos 2000 foram formados nela! Estava diante de uma sociedade filha do cristianismo! Ou melhor: o brasileiro é filho dos cristianismos, dos diferentes cristos, feito de cristãos de todos os tipos.

O que não deixei de copiar do meu herói canadense foi a ideia de analogia da redenção, quando costumes locais apontam verdades espirituais, ou quando verdades espirituais são aplicadas aos costumes locais. É por isso que consigo cantar Xodó de Dominguinhos e All We Need Is Love dos Beatles depois de ler Eclesiastes, Drummond e Gabriel Garcia Márquez sem nunca me esquecer que faço isso diante da face de Deus tocando a verdade da solidão tal como ela é.

 

Marcos Almeida
em Belém do Pará

18 de Maio 2014

Embarcação

Postado por em maio 6, 2014 | Um comentário

Todo encontro é mágico;

um tipo raro de milagre.

Vivemos nas distâncias,

nas ilhas sem ponte de um mundo vasto.

Quem faz embarcação

atravessa a si mesmo,

toca um amigo,

paga o preço,

descobre o mundo.

(Marcos Almeida)

Quando Sunshine anunciou Gabo

Quando Sunshine anunciou Gabo

Postado por em abr 18, 2014 | Um comentário

 

Era meu primeiro ano na Universidade do Estado de Minas Gerais, cursando a licenciatura na qual sete anos depois recebi o raro título de jubilado em música. Num dia, que não me lembro qual, meu amigo Sunshine – dele não me esqueço – recitou para o nosso grupo de amigos, em tom nada solene, o início de seu livro favorito:

“Muitos anos depois, diante do pelotão de fuzilamento, o Coronel Aureliano
Buendía havia de recordar aquela tarde remota em que seu pai o levou para conhecer o gelo. Macondo era então uma aldeia de vinte casas de barro e taquara, construídas à margem de um rio de águas diáfanas que se precipitavam por um leito de pedras polidas, brancas e enormes como ovos pré-históricos. O mundo era tão recente que muitas coisas careciam de nome e para mencioná-las se precisava apontar com o dedo.”

Naquele dia bastaram as primeiras palavras de Cem Anos de Solidão para eu descobrir a grandeza de Gabriel García Márquez.

 

 

Da Impossibilidade de uma Cultura Secular

Postado por em mar 27, 2014 | 5 Comentários

por RUAN BESSA

 

Nesse mundo de Deus, diga-se de passagem, supostamente pós-moderno, pós-Deus, pós-cristão, pós-industrial, pós-tudo, a coisa que não é pós é a religião, mesmo que a elite intelectual negue o fato evocando Nietzsche, Freud ou Dawkins e suprima tal afirmação em nome da neutralidade ou objetividade da ciência e de uma vida não religiosa. Obviamente, preciso esclarecer o que é religião para sustentar a ideia. Primeiro é preciso dizer que há mais do que crença religiosa envolvida na religião. Há ritos, práticas, éticas e assim por diante. Entretanto, seus significados são fornecidos pela crença religiosa e apesar da grande complexidade do tema, no que diz respeito à crença religiosa, Platão, Aristóteles, Calvino, Mircea Eliade, Hans Kung, C. S. Lewis, Paul Tilich, Herman Dooyeweerd, Roy Clouser entre outros me dão cobertura, pois a eles volto para uma definição. No cerne de toda religião há a crença em algo ou alguém que seja divino, perceba que não estou falando o que é esse algo ou alguém (o Deus Cristão, a matéria, leis eternas de caráter lógico ou matemático), mas sim o seu status. Em toda religião o divino é o alguém ou algo que tenha realidade incondicional, ou seja, é auto-existente, a realidade não-dependente enquanto todo o resto depende dela[1]. Para usar um exemplo de Roy Clouser[2]: é como discutir sobre quem deve ser o presidente e qual o papel do presidente. Há muitas opiniões sobre quem deve ser o próximo presidente do Brasil, mas há aceitação universal de que seu papel é governar e não roubar, por exemplo. Assim, o que deve ocupar a posição de divino é a questão amplamente divergente, mas o significado do que seja divino, seu status, é o ponto universalmente aceito. O teste fatal vem agora. Tente achar alguma visão de mundo que não dependa e não assuma tal realidade que seja a origem não-dependente da qual toda resto dependa. Ateístas e materialistas também não podem escapar de tal fato. Talvez se irritem porque, caso você tenha me entendido até agora, nesse momento estou chamando-os de religiosos, não só eles, mas a humanidade. Dito isso, podemos avançar para uma olhar mais prático em termos de cultura.

 

A atividade cultural do ser humano é sempre orientada e direcionada pela crença religiosa nesse “divino”, seja lá o que ou qual for. Uma comunidade humana tem sua fé ancorada nessa realidade, seja de forma consciente ou não, mesmo que negue que tal confiança é religiosa, dizendo que é científica ou racional. Assim, fazendo a matemática, veremos que o resultado é a impossibilidade de uma cultura secular. Obviamente, me refiro a secular enquanto a negação das bases religiosas da cultura. Imagino que Durkheim se lesse esse texto, provavelmente arrancaria os cabelos ou me chamaria de tolo e me indicaria uma ou duas de suas obras. A essa altura a relação entre cultura e religião já se põem no horizonte. Não é a toa que a cultura, em suas origens etimológicas, designa cultivo que por sua vez está tão próximo de culto quanto os dedos estão das mãos e os templos das ruas. Logo, nesse sentido não há tal coisa como artista religioso ou artista secular como se um tivesse crença religiosa e o outro não. Como dito acima todos as temos. Afunilando mais ainda para aplicações práticas em termos de categorias músicas, se usarmos a crença do artista para categorizar as prateleiras de vendas de um grande shopping da sua cidade só poderíamos ter música gospel, umbanda, materialista ou quem sabe pagã, panteísta ou cristã. Obviamente, isso não faz sentido. As categorias deveriam seguir critérios artísticos e estéticos. Assim, a pergunta obvia é o porquê a prateleira gospel está lá então. Vou dar três razões: um conceito de religião estragado, com se a religião fosse um dos compartimentos da vida, que alguns têm e outros não, ao invés de perceber que a religião é a orientação total de uma vida. Segundo, a dicotomia fato/valor, sagrado/secular fruto da ideia estragada de religião, pois essa divisão é tão mitológica quanto Zeus. Por fim, os interesses de todos os lados numa fatia “religiosa” do mercado. Enfim, como disse Henry Van Til: “o conflito na cultura não é entre fé e cultura, religião e razão. Mas, desde que toda cultura é fundamentada na crença religiosa, o conflito é entre fés divergentes”[3].

 


[1] CLOUSER, Roy. The Myth of Religious Neutrality: An Essay on the Hidden Role of Religious Belief in Theories. Notre Dame, Notre Dame University Press, 1991.

[2] Roy Clouser é doutor em filosofia pela Universidade da Pensilvânia.

[3] VAN TIL, Henry. The Calvinistic Concept of Culture. Grand Rapids, Michigan, 1972.

 

UMA OUTRA BRASILIDADE

Postado por em mar 24, 2014 | 24 Comentários

Do que estou falando esse tempo todo, mas você ainda não entendeu!

 

A preguiça intelectual prefere chamar de gospel tudo aquilo que é confissão evangélica na cultura brasileira, sem se dar conta de que bem antes da grife existir já havia uma Igreja. Certamente, quando falo “Igreja” não penso em templos e capelas apenas, mas, sobretudo em pessoas que experimentam o Evangelho na vida.

Os preguiçosos ignoram: a tal categoria de mercado ainda não chegou aos trinta. Fazem pouco caso da comunidade de fé da qual pertencemos. Nossos pais nos legaram uma família de dois milênios. Eles atravessaram gerações, errando e acertando, e chegaram ao Brasil há mais de quinhentos anos! Então, que influência é essa, de fato, na formação do nosso país? É preciso ver essa herança sem as lentes embaçadas da indústria do entretenimento, para além dos limites religiosos e acadêmicos, aproveitando as diversas cores e linhas denominacionais que de fato ajudaram a formar essa grande e singular obra de tapeçaria que hoje é pisoteada pela idealização de um Brasil sensualizado, trapaceiro, exótico, aristocrático, místico, racista, bêbado e baderneiro. A preguiça os impede de ver além do clichê. Estamos puxando esse tapete…

Eu chamo você para ver de outro ponto. Te convido a abrir outras janelas. A duvidar do que lê nos jornais. A duvidar dos livros de sociologia. Proponho aqui uma mudança na abordagem do que é identidade brasileira.

Nos últimos cem anos e, principalmente, depois da semana de arte moderna (1922) essa abordagem é dada por uma elite não cristã e anticristã, que olha para os crentes como “os outros”. E se pedíssemos agora para “os outros”, nós, os crentes, que construam essa abordagem; qual brasilidade será contada por esses que creem? Como será o Brasil de dentro “dos outros”?

Vejo os crentes sendo violentados covardemente pela lógica de entretenimento religioso, por um lado, e pela censura aristocrática e hipster no front oposto.  É pela liberdade deles que grito. Grito por mim, em nome dos nossos pais, em respeito a sua herança e investimento. Grito inspirado em Cristo, instigado por Cristo, que não se dobrou nem diante da fúria dos sacerdotes cegos e corruptos, nem muito menos diante do governo tirânico e opressor daquela elite romana. Nem preciso falar de como Ele tratou os gregos… Grito a brasilidade de quem segue o Cristo, de quem voluntariamente se doa, de forma autêntica, sendo coautor desse movimento de fé, esperança e amor no meio do mundo. Movimento que alcançará os nossos filhos – se Ele antes não voltar – os brasileiros dos outros.  Os outros brasileiros de nós mesmos!

 

Marcos Almeida